Sejam Benvindos ao Blog Estudos Diplomáticos !

Este espaço foi criado para reunir conhecimentos acadêmicos e informações relacionadas ao Concurso para ingresso no Instituto Rio Branco.



domingo, 30 de maio de 2010

Política Internacional (Sínteses de livros da Bibliografia): Quinhentos Anos de Periferia (Parte VIII)


(Continuação...)

A concentração de poder é evidenciada por Samuel Guimarães como decisiva, no plano internacional para determinar a forma como se organizam as relações entre os Estados; em jogo estão a distribuição dos benefícios, sendo a conseqüência o bem-estar relativo de suas sociedades. Afirma o autor que pode ser constatado empiricamente, fortes tendências e processos de concentração de poder em várias ordens, nomeadamente, de poder tecnológico, de poder econômico, de poder político, de poder militar e de poder ideológico. 1. concentração de poder tecnológico: muito enfatizadas pelo autor são as características da pesquisa científica e tecnológica, articuladas sempre ao custo da transformação de invenções tecnológicas. Os países mais ricos e mais desenvolvidos tecnológica e cientificamente dispõem de recursos e estoque de conhecimentos e experiência que os tornam mais capazes de desenvolver de forma exitosa, seus programas de pesquisa. Esses grandes centros geradores de ciência e tecnologia procuram, naturalmente, reduzir a amplitude e a velocidade de difusão de novos conhecimentos. A característica “dual”, valeria dizer, civil e militar das aplicações desse conhecimento foi justificada e facilitada durante a Guerra Fria, e se desenvolveu nos Estados Unidos toda uma ampla legislação de controle da exportação de bens de alta tecnologia e difusão de conhecimento científico e tecnológico, no que se caminhou no sentido de operacionalizar essa legislação por meio de acordos e “regimes” internacionais de controle. Nesse contexto, os países não-membros desses regimes, enfrentavam grande dificuldade de acesso até mesmo à tecnologias relativamente mais simples, porém classificadas. Ressalta-se ainda que na esfera civil desenvolveu-se todo um esforço de criação de normas internacionais mais favoráveis aos produtores e detentores de novas tecnologias e que sancionassem os países que viessem a não aceitar, ou a infringir tais regras, apresentadas como espécie de emblemas do moderno. Com efeito, cita Samuel Guimarães, as novas normas da Organização Mundial do Comércio, por fortalecer os direitos dos detentores de patentes e estabelecer as chamadas sanções “cruzadas”, que punem com restrições comerciais os países que não são produtores de tecnologia e detentores de patentes, quando julgados infratores de tais normas. 2. A concentração do poder econômico. Como lembra o autor, o capital se sente atraído para as regiões com melhor infra-estrutura de transportes e de comunicações, com melhores serviços públicos, mão-de-obra mais treinada e qualificada, nível de renda e capacidade de consumo mais elevados e que sejam mais estáveis politicamente. Não seria por acaso então que a concentração de poder econômico se verifica tanto entre países quanto entre regiões de um mesmo país, ou entre grupos populacionais em termos de renda e riqueza. 3. A concentração de poder político. Anotou o autor que na esfera internacional, a concentração de poder político se verifica pela transformação do Conselho de Segurança das Nações Unidas nas próprias Nações Unidas e pelo definhar das atribuições e poderes da Assembléia Geral e das agências especializadas, exceção para aquelas em que o voto é ponderado, o que equivale dizer, naquelas agências cujo peso é maior para os países centrais, como ocorre com o FMI, o Banco Mundial e a OMC, onde as decisões não são por voto, mas por consenso, o que na prática equivale dizer o consenso dos principais “países comerciantes”. Reitera o autor que a expansão dos poderes do Conselho de Segurança para incluir em sua competência novas áreas, que começou com o direito e o dever de ingerência em casos humanitários, poderá vir a incluir temas como o meio ambiente. A Carta das Nações Unidas é o único tratado realmente universal e o único que prevê e permite o uso da força para fins de segurança coletiva e nela os cinco membros permanentes têm direito a veto, o que os coloca, na prática, fora do alcance das sanções da comunidade internacional. A propósito, o TNP, agora tratado perpétuo, exclui a possibilidade legal de surgimento de novas potências nucleares; desta feita, os cinco membros permanentes são também os cinco detentores legais de armas nucleares, tornam claro que o poder político em nível mundial está concentrado em termos jurídicos e políticos, refletindo a concentração de poder tecnológico e econômico, e que a eventual expansão da competência legal do Conselho virá a concentrar ainda mais o poder. A concentração de poder entre países, e o processo de concentração dentro dos países, o aumento da influência do poder econômico na política, a manipulação que as técnicas modernas de informação, pesquisa de opinião e marketing político permitem, com a transformação de campanhas e debates políticos em marketing de produtos, sem confronto real de idéias e propostas políticas torna o cidadão afastado do debate e da atividade política, com o auxílio da televisão e da transformação de hábitos sociais e culturais que esta promove e provoca. Entre estes novos hábitos, incluem-se o achincalhamento da política e da cidadania, a exacerbação do individualismo consumista, o culto do corpo e o desprezo pelo intelecto, através da depreciação da cultura que não seja pop. 4. A concentração de poder militar. A concentração de poder científico e tecnológico, a restrição à difusão de tecnologias militares por meio de acordos específicos, inclusive de criação de zonas livres de diversos tipos de armamentos na periferia – mas que não incluem a proibição à presença nessas zonas de armamentos das Grandes Potências. Há de se notar, segundo o autor, os mecanismos de sanção aos países que os infringem e o arcabouço jurídico das Nações Unidas e de outras organizações, em especial a OTAN, a qual atua cada vez mais como agente das Nações Unidas, cristalizando em prol das Grandes Potências a situação do poder militar mundial. É ainda colocado em evidência por Samuel Pinheiro a realidade dos programas de desenvolvimento de armamentos automáticos e robotizados altamente sofisticados, os esforços recentes do Banco Mundial e do FMI para culpar as despesas com armamentos pelas dificuldades econômicas da periferia. Tudo isto faz parte, ainda segundo o autor, da estratégia de eventual desarmamento completo da periferia e a um ainda maior grau de concentração de poder militar. Essa estratégia tem como objetivo permitir a uma pequena parcela da população mundial, encontrada nos países integrantes das estruturas hegemônicas, controlar, se necessário pela força, as reivindicações de toda ordem da enorme e crescente população da periferia. 5. A concentração de poder ideológico. Esta concentração fica ressaltado na lavra do autor, devido às novas tecnologias de informação e das telecomunicações. A capacidade de produção de informações e o controle dos sistemas de comunicação audiovisual por parte dos Estados Unidos, a transformação do inglês em “língua franca” universal, criaram as condições que levam a uma enorme concentração de poder ideológico. Os programas de treinamento de estudantes, em especial nas áreas de ciências humanas, nos Estados Unidos, fazem com que se criem, na periferia, grupos ideologicamente identificados com os valores do centro e que participam, de forma alienada e satisfeita, e às vezes interessada, da implementação das políticas gerais de concentração de poder, articuladas pelos Estados centrais e operacionalizadas pelas estruturas hegemônicas, no que são auxiliados pela mídia, o que se faz em nome das virtudes do individualismo, da eficiência, da competitividade e da paz universal.


(Continua...)

sábado, 29 de maio de 2010

Língua Portuguesa: Sujeito I - Exercícios.


Constava do nosso planejamento. É importante realizar exercícios. Oportunamente serão disponibilizadas baterias de testes elaborados pelo CESPE/Unb.

Sujeito I - Exercícios.


Procure avaliar seus conhecimentos sobre sujeito. Vamos responder os exercícios? Todos eles já foram questões de vestibulares. Leia atentamente os enunciados: essa é regra no 1 para que você tenha bom desempenho.
1. (UFMT) A propósito do trecho que segue, aponte o sujeito de supõe:
“O idealismo supõe a imaginação entusiasta que se adianta à realidade no encalço da perfeição.”
a) a imaginação entusiasta
b) o idealismo
c) a imaginação
d) entusiasta
2. (PUCSP) Em relação ao trecho:
“Pregada em larga tábua de pita, via-se formosa e grande borboleta, com asas meio abertas, como que disposta a tomar vôo.”, podemos afirmar que o sujeito da oração principal é:
a) simples, tendo por núcleo implícito alguém.
b) composto, tendo por núcleos formosa e grande.
c) simples, tendo por núcleo asas.
d) indeterminado, tendo por índice de indeterminação do
sujeito a partícula se.
e) simples, tendo por núcleo borboleta.
3. (UNIMEP-SP) Existem muitas definições de sujeito. Uma delas é: “Sujeito é aquele que pratica a ação verbal”. Das frases a seguir, qual contraria tal definição?
a) O rato foi comido pelo gato.
b) O rapaz leu o gibi.
c) A menina brinca com a boneca.
d) O menino entregou o jornal.
e) Viajo todos os domingos.
7
4. (FOC) Duas das orações abaixo têm sujeito indeterminado. Assinale-as.
I. Projetam-se avenidas largas.
II. Há alguém esperando você.
III. No meio das exclamações, ouvi-se um risinho de mofa.
IV. Falava-se muito sobre a possibilidade de escalar a montanha.
V. Até isso chegaram a dizer.
a)I e II.
b)III e IV.
c)IV e V.
d)V e VI.
5. (FF-RECIFE) Nas orações a seguir:
I. No trabalho, use equipamento de proteção.
II. Júlio, no clube, falaram mal de você.
III. Vendeu-se a pá.
O sujeito é, respectivamente:
a) simples, simples, simples.
b) oculto, simples, simples.
c) indeterminado, indeterminado, simples.
d) oculto, indeterminado, simples.
e) oculto, indeterminado, indeterminado.



RESPOSTAS AOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS:
1. b
2. e
3. d
4. c
5. d

Língua Portuguesa: Sujeito I

Conforme planejado em nossa postagem do dia 23 de maio , segue a nossa primeira vídeo-aula de complementação em Língua Portuguesa.



Sujeito I


video

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Política Internacional: Quinhentos Anos de Periferia (Parte VII)



(Continuação...)

Anotou Samuel Pinheiro Guimarães, que uma das principais conseqüências da aceleração do progresso científico e tecnológico é o vasto processo de reorganização do sistema produtivo - no centro - e, em especial, nas sociedades periféricas semi-industrializadas, os países que antes eram chamados de new industrializing countries. Para Samuel Pinheiro, cumpre ressaltar que o sistema econômico está passando por uma profunda reorganização em todos os setores de atividade, porém com velocidades distintas, tanto entre setores, como entre as empresas de um mesmo setor. Essa reorganização corresponde de certa forma, a um novo paradigma para o funcionamento do sistema produtivo (em substituição ao “fordismo”), com base, fundamentalmente em constantes avanços no campo da informática, processo muito acelerado com o surgimento do microchip, a miniaturização, e a conseqüente redução, pela constância dos avanços dos custos e dos preços dos equipamentos eletrônicos. Os avanços no sistema produtivo encontram-se a partir da sua base da informática, bastante imbricados às telecomunicações , com reduções aceleradas de custos e aumentos constantes da capacidade de operação. Basta lembrar que equipamentos eletrônicos, armazenam instruções de comando, o que faz com que as operações de produção ocorram naturalmente com maior precisão que a dos sistemas eletromecânicos, reduzindo desperdícios, defeitos de fabricação e custos unitários de produção. Neste sentido, os principais impactos da reorganização produtiva (fragmentação de unidades produtivas em diversas subunidades mais próximas da matéria-prima mas também do mercado consumidos, flexibilização ou “customerização” enquanto capacidade de adaptar linhas de produção de forma rápida e a baixo custo, atendendo a segmentos específicos do mercado, ou ainda, a expansão vertiginosa da capacidade de cálculo, processamento paralelo de dados e simulação de experiências. Finalmente, encontramos as práticas e métodos gerenciais, os quais impactaram a multiplicação da capacidade, velocidade e simultaneidade de processamento de informação, as técnicas de redução de estoque como o just in time e a criação de redes de especialistas e de equipes de trabalho à distância.).
A reorganização promovida pelos avanços da informática produziu impactos nos mercados de produtos, estando entre os mais relevantes: 1. a redução do ciclo de vida dos artigos, pela aceleração de sua substituição por novos produtos; 2. a possibilidade das organizações empresariais atingirem maiores dimensões, reduzindo o número de empresas em cada mercado; 3. em conseqüência do item anterior, há um favorecimento à oligopolização crescente de mercados, com seus efeitos sobre preços, eficiência de alocação de recursos e “exploração” do consumidor.
Quanto aos mercados de trabalho, assumem maior impacto, principalmente: 1. a mudança acelerada nas proporções trabalho/capital nos sistemas de produção e de gerenciamento e os conseqüentes desequilíbrios mais rígidos entre oferta e demanda nos diversos mercados setoriais de mão-de-obra, o que corresponde aos desemprego “estrutural”; 2. as características de habilitação exigidas pelas novas e cambiantes tecnologias e as alterações que provocam nas atividades de produção levam a um desequilíbrio entre as estruturas (sistema produtivo) e os métodos do sistema de formação de mão-de-obra (sistema educacional).
O autor cita ainda que no caso dos mercados de capital, a informática e as telecomunicações foram e são essenciais para a globalização, pois: 1. tornaram possível a unificação, em tempo real, dos distintos mercados financeiros em todo o mundo; 2. em conseqüência do item anterior, as mudanças propiciaram a crescente volatilidade dos movimentos de capital, com profundos efeitos desestabilizadores, sobretudo para as economias mais frágeis.
Porém, nos lembra o autor, que há mais. Pois a biotecnologia e a engenharia genética tenderão a ter impacto e importância semelhante pelos seus efeitos diretos sobre o maior desejo do ser humano, que é a imortalidade. A biotecnologia e a engenharia genética permitem o aumento da longevidade pela redução do ritmo de envelhecimento, pelo transplante de órgãos, pela clonagem, etc... Além, disto, a biotecnologia e a engenharia genética afetam a agropecuária de forma profunda ao permitir o desenvolvimento de espécies vegetais resistentes a pragas e doenças, mas também de espécies mais produtivas pela aceleração do ritmo de reprodução vegetal, adaptação de espécies a climas e solos normalmente a elas adversos e a clonagem de animais. Toda esta gama de inovações, assinala o autor, vêm reduzir as vantagens comparativas naturais dos países subdesenvolvidos, na medida em que permitem a produção eficiente em áreas antes não competitivas, inclusive nos países mais desenvolvidos do centro.
Cumpre ainda incluir nesse imenso rol de inovações da informática e da biotecnologia, os novos materiais que substituem produtos tradicionais como é o caso do cobre, substituído pela fibra óptica, a cerâmica utilizada em motores, e dos setores de ponta dos satélites e naves espaciais.
A reorganização produtiva contribui, segundo Samuel Pinheiro Guimarães, para fortalecer as empresas de maiores dimensões, com maior flexibilidade e que atuam em vários territórios, as quais passam a pressionar pela unificação de normas jurídicas e, portanto, pela formação de territórios econômicos e, eventualmente, políticos, mais amplos. A vasta reorganização em curso do sistema produtivo, defende o autor, acentua a concentração de poder em todos os aspectos.


(Continua...)

domingo, 23 de maio de 2010

Língua Portuguesa: próximas postagens





Língua Portuguesa

É oportuno esclarecer que o Blog Estudos Diplomáticos procura manter o compromisso de oferecer subsídios voltados à conquista da “nota de corte” do Teste de Pré-Seleção, que é a primeira fase do Concurso de Admissão. Tendo em vista a importância ocupada pela prova de Português na primeira fase, havíamos programado uma série de postagens, respeitando as enquetes aqui respondidas. Agora chegou o momento. Haverão novas vídeo-aulas de Gramática, que respondem pelo item 1. do Programa de Português. Conseguir material de bom nível e digitalizado, não é tarefa fácil. Às vezes relutamos em disponibilizar vídeo-aulas direcionadas para exames vestibulares, porém creio ser um mero preconceito, haja visto as mesmas possuírem aceitação testada e de comprovada eficiência.
Face a esta exposição de motivos, e respeitando o programa abaixo, farei uma série de postagens objetivando a Língua Portuguesa, com novas vídeo-aulas para o estudo da Gramática, basicamente a Morfossintaxe e a Semântica, em 16 lições, que contarão com questões objetivas, algumas procedentes do CESPE. Será disponibilizado ainda um curso de Redação em 12 vídeo-aulas.
Lembro que postagens anteriores contemplaram um curso completo de Gramática, o qual poderá ser acessado "clicando" no marcador vídeo-aula língua portuguesa abaixo. Como é sempre benéfico ter clareza sobre o que nos será exigido, segue o Programa de Língua Portuguesa do CACD.

Programa (Primeira e Segunda Fases):
1. Língua Portuguesa: modalidade culta usada contemporaneamente no Brasil.
1.1 Sistema gráfico: ortografia, acentuação e pontuação; legibilidade.
1.2 Morfossintaxe.
1.3 Semântica.
1.4 Vocabulário.

2. Leitura e produção de textos.
2.1 Compreensão, interpretação e análise crítica de textos em língua portuguesa.
2.2 Conhecimentos de Linguística, Literatura e Estilística: funções da linguagem; níveis de linguagem; variação linguística; gêneros e estilos textuais; textos literários e não literários; denotação e conotação; figuras de linguagem; estrutura textual.
2.3 Redação de textos dissertativos dotados de fundamentação conceitual e factual, consistência argumentativa, progressão temática e referencial, coerência, objetividade, precisão, clareza, concisão, coesão textual e correção gramatical.
2.3.1 Defeitos de conteúdo: descontextualização, generalização, simplismo, obviedade, paráfrase, cópia, tautologia, contradição.
2.3.2 Vícios de linguagem e estilo: ruptura de registro linguístico, coloquialismo,
barbarismo, anacronismo, rebuscamento, redundância e linguagem estereotipada.

Curso de Inglês: Lição nº 20 - Reading

video

sábado, 15 de maio de 2010

Curso de Inglês: Exercícios referentes à Lição nº 19


19. Reflexives.

1.Assista novamente a nossa última postagem referente ao curso de Inglês.

2.Leia o texto e escolha a melhor alternativa.

Texto

After I finished high school, I just wasn’t ready to go to college itself. I really needed sometime by myself to figure out what I wanted to do. I had saved up a lot of money so I used it to travel through Eastern
Europe for six months. It was an amazing experience and I learned a lot about myself. Once I got home I was ready to start college. Now the only trouble is, I don’t have enough money to pay for it. I should have given more thought to my finances themselves before taking such an expensive trip.
Interchange


a) A autora do texto sabia exatamente o que deveria fazer ao
terminar o colégio.
b) Ao terminar o colégio, a autora do texto resolveu estudar um
pouco no leste europeu.
c) A autora do texto não teve dinheiro o suficiente para pagar a
viajem que fez ao exterior.
d) A autora do texto teve que economizar dinheiro durante seis
meses para viajar.
e) A autora do texto se arrepende de não ter planejado bem as suas
finanças antes de viajar.

Resposta
e) A autora do texto se arrepende de não ter planejado bem as suas
finanças antes de viajar.

sábado, 1 de maio de 2010

Noções de Direito e Direito Internacional Público



Em 13 de outubro de 2009, postei esta mesma vídeo-aula de Direito Internacional Público. Esta reprise, portanto, visa unicamente facilitar o acesso dos leitores ao material, e dar sequência ao nosso cronograma de postagens para as Noções de Direito no CACD, disciplina que sabemos, inclui tanto o Direito Constitucional quanto o Direito Internacional Público. No ano passado, como é de conhecimento, postamos um Curso de Direito Constitucional, o qual encontra-se disponível para os interessados. Como a postagem de DC foi realizada na íntegra, oportunamente iremos disponibilizar apenas exercícios, fazendo referência às vídeo-aulas por marcadores. As postagens de Direito Internacional Público também terão exercícios. Os temas são os seguintes:


1- Dos Tratados Internacionais (postado abaixo);


2- Imunidades;


3- Direito da Nacionalidade;


4- Condição Jurídica do Estrangeiro;


5- Proteção aos Direitos Humanos;


6- Direito do Mar;


7- Tribunal Penal Internacional.





Direito Internacional Público: Dos Tratados Internacionais

video